Tendinite Calcárea

By thiago.md 6 meses ago
Home  /  Ombro  /  Tendinite Calcárea

É uma patologia dolorosa do ombro, na qual os tendões do manguito rotador são infiltrados por depósitos de cálcio. O tendão mais acometido é o supra-espinal, seguido pelo infra-espinal, subescapular e redondo menor.

Esse distúrbio acomete cerca de 10% da população, principalmente as mulheres, entre 30-60 anos. O lado mais acometido é o direito e em 10% dos casos é bilateral.

A causa dessa patologia ainda é desconhecida, sugere-se uma causa vascular.

A boa notícia é que essa doença geralmente é auto-limitada, ou seja, se resolve com o tempo. Normalmente ela segue um curso definido, determinado por Sarkar e Uhthoff:

  • Fase 1: Pré-calcificação (assintomático)
  • Fase 2: Calcificação
    • Fase de Formação: depósito de cálcio parece um pó de giz.
    • Fase de Repouso: depósito de cálcio bem delimitado. Pouca dor.
    • Fase de Reabsorção: Depósito de cálcio = pasta de dente. Período extremamente doloroso.
  • Fase 3: Pós-calcificação. Tecido de granulação é substituído por colágeno. Dor desaparece.

Geralmente essa doença não causa muita dor no ombro, exceto na fase de reabsorção que é extremamente dolorosa e dá limitação da movimentação do ombro. Nas outras fases pode dar uma sensação que tem alguma coisa batendo dentro do ombro (sintomas de impacto).

Diagnóstico: pode ser confirmado com o RX, ultra-sonografia ou ressonância magnética.

 

 

 

Os exames de sengue (cálcio e fósforo) geralmente estão normais.
Diagnóstico diferencial: tendinite calcificante insercional, calcificação distrófica e síndrome do impacto.
O tratamento inicial com fisioterapia (prevenção de rigidez), gelo local e analgésicos ou anti-inflamatórios é bem sucedido na grande maioria dos casos (> 70%). Caso apresente uma dor muito intensa pode ser feita uma infiltração local com anestésico ou corticóide, porém os resultados são controversos.
Quando não observamos nenhuma melhora após um período se 6 meses pode-se pensar em um tratamento mais invasivo. Antes de realizar qualquer procedimento cirúrgico deverá conversar com o seu médico, pois devemos individualizar cada caso.
As opções são:
– Aspiração guiada por USG: pode ser realizado, principalmente em pacientes com depósitos segmentados e com contornos mal definido
– Artroscopia: é a técnica preferida. Indicada principalmente em depósitos grandes e bem delimitados. No mesmo procedimento pode ser necessário realizar o reparo do manguito rotador e a descompressão subacromial. Ao final do procedimento é comum ter calcificação residual, porém não interfere no resultado final.
– Ressecção aberta
Fator de risco para falha do tratamento conservador: patologia bilateral, depósito grande, depósito no 1/3 anterior do acrômio, depósito medial ao acrômio.
No pós-operatório é necessário ficar de tipóia. A reabilitação depende da realização ou não do reparo do manguito rotador.
As complicações do procedimento podem ser: capsulite adesiva/ombro congelado (problema + comum), recorrência e persistência da dor.

Categories:
  Ombro, Patologias do ombro
this post was shared 0 times
 000