Luxação acrômio-clavicular do ombro

By dev7.md 5 meses ago
Home  /  Lesões  /  Luxação acrômio-clavicular do ombro

A luxações acrômio-clavicular do ombro é uma lesão traumática, geralmente decorrente de uma queda sobre a ponta do ombro durante atividades esportiva como jogar futebol ou basquete.

A sua incidência é mais comum em homens e atletas, chegando a ser responsável por 10% das lesões do ombro.

Ao exame físico é possível perceber uma dor na região da clavícula distal e nas lesões mais graves pode ter uma deformidade visível. Ao tentar levantar o ombro ou aduzir (encostar a mão no outro ombro) pode ocorrer a piora da dor/deformidade.

O exame inicial a ser realizado é uma radiografia do ombro e uma radiografia das 2 clavículas em 2 incidências no mesmo filme (frente e Zanca) com os braços pendentes para avaliar o grau de desvio, comparativamente.

Luxação acrômio-clavicular grau 5 do ombro esquerdo

 

Sequência da lesão: lesão dos ligamentos acrômio-claviculares à coraco-claviculares à fáscia deltotrapezoidal

 

Em alguns casos pode ter lesões associadas,  como uma fratura da clavícula distal (fratura + comum), fratura do coracóide, lesão do manguito rotador, lesão do labrum glenoidal (SLAP) ou lesão esternoclavicular.

A gravidade das luxações acrômio-claviculares são classificadas de acordo com Rockwood, levando em conta os ligamentos lesados e tamanho do desvio.

Os tipos 1 e 2 (+ comuns) são de tratamento conservador. Pode ser tratao com gelo, analgésicos e tipóia para proteção da articulação. Após melhora da dor (geralmente 2-3 semanas) progredimos para exercícios isométricos e ganho de movimento. Quando ocorrer melhora do fortalecimento pode retornar ao esporte.

O tipo 3 tem um tratamento controverso. Pode ser realizado o tratamento conservador ou cirúrgico baseado nas atividades de vida diária e esportes praticados.

Os tipos 4, 5 e 6 geralmente são de tratamento cirúrgico.

Tratamento cirúrgico: existem mais de cem técnicas cirúrgicas diferentes para o tratamento da luxação acrômio-clavicular, inclusive técnicas artroscópicas.

O pós-operatório varia muito de acordo com a técnica cirúrgica. Geralmente mantemos a imobilização por 4-8 semanas. Depois realizamos o ganho de arco de movimento. Após 3 meses: inicia-se fortalecimento. Esporte de arremesso somente após 6 meses.

Complicações: cada técnica tem suas complicações. A mais comum é uma assimetria em relação ao outro ombro. Pode ocorrer infecção, falha do implante, migração do implante,  rigidez e dor crônica na ponta do ombro.

Perguntas frequentes:

  • Se existem tantas técnicas, qual é melhor?

 

Até o momento, não existem trabalhos comprovando a superioridade de uma técnica sobre a outra. Normalmente é melhor conversar com o seu cirurgião sobre a técnica que ele tem mais confiança e acredite ser a melhor técnica para o seu caso.

 

  • Se eu não operar vou perder o movimento do ombro?

 

As lesões acrômio-claviculares não são obrigatoriamente cirúrgicas. Os graus maiores, pela classificação de Rockwood, tendem a ter mais complicações com o tratamento conservador, porém alguns pacientes ficam sem muitas queixas sem operar.

Categories:
  Lesões, Trauma do ombro
this post was shared 0 times
 100